Ana de Castro Osório e a Mulher Republicana Portuguesa: Veículo de Regeneração da Nação e de Preservação da Identidade Nacional, de Célia Carmen Cordeiro

Assinando autógrafos

    Foi uma grande alegria e um privilégio, enquanto aluna de pós-graduação do Departamento de Espanhol e Português da Universidade do Texas em Austin, divulgar a obra «Ana de Castro Osório e a Mulher Republicana Portuguesa: Veículo de Regeneração da Nação e de Preservação da Identidade Nacional» (Fonte da Palavra, 2012) na sala do Senado da Universidade Nova de Lisboa, no dia 8 de Janeiro do corrente. O livro foi apresentado pela Professora Doutora Teresa Pizarro Beleza, directora da Faculdade de Direito da mesma instituição. Brilhantemente, a apresentadora relacionou a obra mencionada com a legislação portuguesa concernente aos direitos das mulheres em Portugal, desde o Código Civil de 1867 até à legislação actual. A inter-relação feita com o sistema judicial inglês e francês, assim como a alusão aos promotores dos direitos das mulheres nestes países, desde Mary Wollstonscraft, John Stuart Hall e Olympe de Gouge, constituiu uma lição brilhante que aglutinou a atenção de todos (as) os (as) presentes. A participação da antiga Primeira Dama de Portugal, uma ferrenha defensora dos direitos das mulheres portuguesas, a Doutora Maria Barroso iluminou a assistência. Um bem-haja a todos pelo vosso apoio e participação, consequência da excelente organização do evento pela Professora Isabel Lousada.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Una respuesta

  1. c9 uma queste3o de ane1lise simples. Quem sabe dtseas coisas explica-o com facilidade. Os resultados se3o inconclusivos. c9 um indicador que simplesmente ne3o constrf3i nenhum posicionamento ideolf3gico. Indica o que o inquirido acha acerca dele prf3prio, e ne3o o que ele e9.De resto, basta olhar para o «ne3o sabe», e para o valor 5 (a famosa fuga para o centro) para perceber que a fanica concluse3o que se pode retirar e9 que os jovens pouco sabem sobre o que e9 a esquerda e a direita, quanto mais poderem decidir com discernimento onde se enquadram, se no 4, no 7 ou no 10.

Deja una respuesta